Desconheço quem na vida não sofre por dizer o que pensa, e fazer o que gosta... Claro que te darão as costas, por que o mais comôdo e aceitável, é permanecer dentro da ciranda deles, dentro daquilo que eles rotularam, e aí de quem não andar na linha do "trem" deles!

Rosângela Cunha

21 de mar de 2010

Pensei em VOCÊ outra vez...


E nada mais havia para ser feito para que voltasse
a existir entre aqueles dois alguma coisa que os levassem
à acreditar que ainda restava seja lá o que fosse
para tentarem “restaurar” aquela relação tão desgastada,
e que mesmo dilacerada eles ainda a arrastaram
por tanto tempo ainda...
Chove uma chuvinha fininha lá fora,
e eu lembro com uma certa nostalgia
dos invernos que passamos juntos,
nossa estação preferida, lembra?
Esse o primeiro inverno que vamos passar separados,
desde aquela “tempestade” que nos juntou,

e que nos olhamos pela primeira vez
cheios de desejos um pelo o outro,
e que mesmo diante de tantos obstáculos,
decidimos viver aquele amor que já começara tumultuado
desde o início, e mesmo assim seguimos em frente
apaixonadamente apaixonados um pelo o outro...
Tivemos a chance de sonhar muitos sonhos juntos,
e de acreditar seguramente

que havíamos nascido um para o outro...
Chegamos tantas vezes a nos prometer

que envelheceríamos juntos,
você me “cuidando”, e eu te “cuidando”...
Acreditamos nisso por tanto tempo!
Foi doce acordar ao seu lado muitas manhãs,
Milhões de manhãs, incontáveis manhãs...
Agora aqui lembrando de nós dois,
não consigo pensar nos horrores que me causastes,
só me vem na lembrança às emoções maravilhosas
que por tanto tempo alimentou com mel
os nossos momentos de felicidade que não foram poucos,
e que mesmo quando interrompidos
pela sua falta de zelo com o nosso amor,
um sorriso e um abraço seu conseguia apagar
qualquer falha sua, e mais uma vez
eu caia nos seus braços,
e te amava como se nada tivesse acontecido.
Foi desse jeito por tanto tempo, por tantos anos,
e hoje quando estamos distantes um do outro,
lamento por tudo que apostamos,
e que não conseguimos ser, e mais ainda,
pelas inúmeras tentativas da minha parte...
Você sabe que eu tentei, sabe que eu me joguei,
sabe que enfrentei cobras e fel para ficar ao seu lado,
você sabe disso mais do que eu...
Mas aí chegou uma hora que eu não tive mais forças
para manter viva a nossa permanência,
eu já não sabia por onde ir nem o que tentar,
tudo se tornou perdido, confuso, empoeirado,
e restou-me apenas juntar o que ficou de mim
e sair dali correndo, sem destino certo, correndo...
Hoje estou tentando ser um pouco racional,

Lembro de você, apesar de tudo, com saudade,
como ontem... Pensei até em te ligar!
Mas eu sei que já é bem tarde,
já nos perdemos, eu sei, nós sabemos...
Sabemos mais, sabemos que não sabemos mais

nem aonde poderíamos nos encontrar.
Já é tarde, meu amor, tarde demais
tarde para tentar reerguer
um edifício que há tempos despencou,
nós sabemos disso,
você sabe disso, eu sei disso...
Rosângela Cunha

5 comentários:

  1. Olá Rô, Belo texto.
    Amiga realmente, este novo blog ficou mais leve. Sucesso.

    Grato por sua visita e delicosa fragrância.

    Beijo pra vc.

    Hod.

    ResponderExcluir
  2. Rosangela, mais uma vez vc arrazou. Seu Blog esta lindo!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Não consegui postar um comentário. ney/

    ResponderExcluir
  4. Rosângela,
    Bom dia! Agora acho que vai sair o comentário. Obrigado pela presença amiga lá no blog. Ficou muito bom seu novo blog, um verde bem bonito. Muita inspiração, alegrias, poesias. Abraço/ney.

    ResponderExcluir
  5. Olá, parabéns pelo blog.

    Se puder, visite o meu. O espírito é outro, mas vamos construindo esta blogosfera de idéias:
    http://grey-noise.blogspot.com/

    Abraço.
    --
    Claudio

    ResponderExcluir

Só conheço uma liberdade,
e essa é a liberdade
do pensamento.

Antoine de Saint-Exupéry