Desconheço quem na vida não sofre por dizer o que pensa, e fazer o que gosta... Claro que te darão as costas, por que o mais comôdo e aceitável, é permanecer dentro da ciranda deles, dentro daquilo que eles rotularam, e aí de quem não andar na linha do "trem" deles!

Rosângela Cunha

17 de mar de 2010

De volta pra casa




Mas eu tinha que lhe dizer antes que aquele ônibus partisse
que embora eu estivesse partida em mil pedacinhos,
ainda restava-me força e fôlego para lhe dizer
com a voz engasgada, que eu ia ficar lhe esperando

o resto da minha vida, mas que estava disposta
a enfrentar o silêncio dos seus passos pelos cantos da casa,
e, que mesmo aos "trancos", abriria a janela do quarto
para que o sol pudesse invadir com os seus raios luminosos
o meu ser tão cansado que por tanto tempo lhe abrigou...

Mas eu tinha que lhe dizer muito mais ainda,
que eu não podia lhe impedir de partir,
e deixar você ir agarrar com unhas e dentes
o mundo que lhe aguardava...

Chega uma hora que a VIDA é a única escolha,
e para você não poderia ser diferente,
a hora é essa que está lhe acontecendo agora,
e que esse é o tempo de você se “fazer”, eu sei...

Fiz o que você me pediu quando nos despedimos,
“engoli” o choro, e só me restou então,
acenar até o ônibus desaparecer
naquela estrada que parecia não ter fim,
para finalmente soltar o choro que estava entalado
da sua falta, do seu sorriso, do seu abraço,
do meu medo de voltar sozinha para abrir
a porta da nossa casa espalhada de lembranças suas...

Eu sabia que ia ser assim,
mas eu enfrentei corajosamente
aquela volta com os olhos pregados na estrada
que nos levou, e que me trouxe sem você de volta pra casa.

Rosângela Cunha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Só conheço uma liberdade,
e essa é a liberdade
do pensamento.

Antoine de Saint-Exupéry